São tristes os meus dias com pedras
em lugar de mãos
ou a cabeça funda na brancura
de través do travesseiro
e o corpo depresso em moles guindastes.
São dias de chorar por menos
ou teimar queixoso com um crânio polido,
batuque convexo
no muro demorado.

Ficar a ouvir o sangue,
o som tubular do sangue. Ao vale seco
da clavícula atrair a água, o sangue
e sorver a sopa intestina
ou se o líquido escapa à boca
tantálica, calar com argila
o que me pede água.

Ficar a palpar os buracos
da ausência, as ligas
da ausência, as ribanceiras
a que caem os pensamentos, a cor
dióspiro que banha a enfermidade
e em seguida tomar o pulso
evadido, travar o touro, o soco da dor,
o infinito infinitivo presente.

Uma amálgama de alma
migra no fôlego de modorrento
pregão de dor, o condor
passa e anda andino e é uma
traça asfixiante: faço um céu rarefeito,
a dispneia é um felino
que arranha céus
e a boca rebuliço espúmeo
expele o sabor da morte
e o que mais consiga cuspir
por entre ovéns e enxárcias
e traves quebradas.

É uma desilusão com as coisas,
uma desilusão funda com as coisas,
com o vazio meio-cheio das coisas.
Meu fôlego um fólio cheio
de silêncio, uma catástrofe natural

um vulcão: no meu pulmão pôr lava
e no trovão treva.


Daniel Jonas, Os Fantasmas Inquilinos
coitado de quem não ouve
o fenecer pausado das roseiras
pequenino serrote intransigente

há um rumor de escravos pelos gestos
todos os gestos
ímpares sempre     e impuros
- e o tempo despe as horas de segredos


José Manuel Pressler
© Ana Mendieta, Untitled (Body Tracks), 1974
Moonlight, Barry Jenkins, 2016
Moonlight, Barry Jenkins, 2016
Moonlight, Barry Jenkins, 2016
Moonlight, Barry Jenkins. 2016
20th Century Women, Mike Mills, 2016

shortcuts

20th Century Women, Mike Mills, 2016

how to be a girl

20th Century Women, Mike Mills, 2016