bichos humanos

A vida nas cidades, antros de plástico e lixo, pobre ambição dos bichos humanos, tornou as pessoas artificiais, esqueceram a natureza. Quem não perdeu a memória do ar puro, das praias, variações em verde, dificilmente se insere nessas matérias sujas, ou apenas secas. Esse que não perdeu a memória constrói dia a dia a sua própria cidade, paralela à outra. Claro que é preciso fazer um esforço para inventar a Outra Cidade, a de cada um de nós, conviver nela, respiração nossa, um rosto local que seja o reflexo do teu rosto. É preciso percorrer um longo caminho.


Casimiro de Brito e Teresa Salema, Nós, Outros