No chumbo, no terror, na morte, com sangue escrevo 
vossos nomes. 

 Na pedra, no ácido, neste branco muro escrevo 
vossos nomes. 

No sonho, nos ventos, na flor fo trigo escrevo 
vossos nomes. 

No aço das duras tarefas, no relâmpago escrevo 
vossos nomes. 

No amor, na cólera, na fome desta ave escrevo 
vossos nomes. 

No sol que levamos, na verde esperança escrevo 
vossos nomes. 

No riso, nas lágrimas, no coração da pátria escrevo 
vossos nomes.  

No ventre em flor da minha amanda semeio, escrevo 
e multiplico 
vossos nomes. 


Papipiano Carlos