Depois de tudo, no vazio
da manhã inabitável,

ajuda-me a negar 
este remorso:

eu só queria uma canção
que não morresse

e a hipótese de um poema
que não fosse

o lugar onde me encontro
uma vez mais,

sem desculpa, sem remédio,
diante de mim mesmo.


Rui Pires Cabral