Pois vivi, salvo alguns prazeres de tom menor, como um miserável. Um miserável é um ser humano cujo traseiro se encontra à disposição de todos os pés; absolutamente todos, incluindo os pés dos próprios miseráveis. Um pormenor curioso: se um juiz ou um jornalista me perguntasse que animal tinha visto mais vezes na vida, diria sem hesitar que a barata. Mais do que cães e gatos, animais que ganhariam qualquer concurso dos melhores amigos do homem. E jurei, num dos raros dias que tinha o estômago cheio, que se por um golpe de sorte chegasse a fidalgo, no meu escudo apareceria uma magnífica barata de ouro em fundo azul.


Como vivi e como morri, em O grande Baro, Virgilio Piñera, Snob